quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

UEMA ocupa a 69ª posição no Ranking Nacional de universidades mais empreendedora do país

A Universidade Estadual do Maranhão (Uema) foi a universidade mais empreendedora do estado em 2023, de acordo com o Ranking de Universidades Empreendedoras (RUE). O estudo é feito pela Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior) e leva em consideração todas as universidades do país.

No ranking nacional, a Uema aparece na 69ª posição com pontuação de 39,77. O ranking é feito a partir da coleta e análise de dados de três diferentes fontes: uma pesquisa de percepção dos estudantes; informações de embaixadores – alunos voluntários – e referências de fontes secundárias em bases de dados complementares. Mais de 4 mil estudantes foram ouvidos a respeito de quais características contribuem para que uma instituição seja mais empreendedora.

“Do último Ranking de Universidades Empreendedoras, divulgado em 2021, para este atual, divulgado em 2023, a Uema saltou 51 posições. Recebemos este resultado com muita alegria, especialmente em razão dos investimentos que tivemos nos últimos anos no campo da inovação e do empreendedorismo na universidade”, celebrou Roberto Serra, diretor da Agência Uema de Inovação e Empreendedorismo.

A Brasil Júnior, que produz o levantamento desde 2016, é uma organização sem fins lucrativos que representa estudantes de todo o país inseridos em mais de mil empresas juniores. Segundo o reitor da Uema, Walter Canales, atualmente existe uma dedicação da universidade em pensar e promover iniciativas nessa direção.

“As universidades estão em permanente evolução. Se no início, nós tínhamos as universidades voltadas para o ensino, pesquisa e extensão, que seguem sendo de fundamental importância, agora também vemos uma movimentação que aponta para os novos rumos dentro das instituições de ensino superior, com a inserção do empreendedorismo e da inovação”, destacou o reitor.

A Uema criou, em dezembro de 2020, uma agência de inovação e empreendedorismo para aproximar a universidade do mercado, estimular o empreendedorismo e mostrar para a sociedade os possíveis produtos que vêm sendo desenvolvidos e pesquisados em ambiente acadêmico. Em guarani, idioma falado por povos indígenas do Brasil e de outros países da América do Sul, a palavra “marandu” significa novidade.

Em 2023, por exemplo, a Agência Marandu já marcou presença em diversos eventos regionais e nacionais nesse segmento, além de criar os próprios projetos com objetivo captar as criações, tecnologias e conhecimentos gerados na universidade para transformar em oportunidades para o mercado e soluções para problemas da sociedade.

Entre esses projetos estão o evento itinerante “Marandu Day”, a dinâmica “Jornada Uema de Empreendedorismo Inovador”, a plataforma digital “Vitrine Tecnológica da Uema” que compartilha produções inovadoras feitas na universidade, além de ciclos de Meetups com diversos setores da estratégicos. Entre os dias 4 e 5 de dezembro, a agência promoverá, ainda, o evento “Marandu Tech”, que colocará, no centro de um shopping center de São Luís, os destaques da Vitrine Tecnológica.

“Pretendemos, com o trabalho que vem sendo feito, angariar mais posições nesse ranqueamento nacional. Essa é uma consequência natural dos esforços que nós estamos fazendo, com a criação de ambientes propícios para o turismo inovador, a constituição de fundos de recursos para investimento em startups, em iniciativas que possam gerar conexões com o mercado e com os setores produtivos da sociedade”, explica Roberto Serra.

A análise do Ranking de Universidades Empreendedoras considera como instituição empreendedora a comunidade acadêmica inserida em um ecossistema favorável, que desenvolve a sociedade por meio de práticas inovadoras. Os critérios de avaliação, chamados também de dimensões, envolvem cultura empreendedora, inovação, extensão, internacionalização, infraestrutura e capital financeiro.

As dimensões de cultura empreendedora, inovação e extensão tendem a medir o que substancialmente influencia no grau de empreendedorismo de uma instituição. Já as dimensões de internacionalização, infraestrutura e capital financeiro são aquelas que medem os meios, proporcionando as melhores condições para o desenvolvimento do protagonismo acadêmico.

“A Uema já possui vários exemplos de que a cultura da inovação e do empreendedorismo está sendo implantada em nossos cursos, em todos os nossos campi. Todo esse esforço é coroado com o reconhecimento que esse salto no Ranking de Universidades Empreendedoras representa. Quem ganha, no final das contas, é a própria Uema, seus alunos e, principalmente, a sociedade maranhense”, finaliza o reitor Walter Canales.

– Publicidade –

Outros destaques