Atirador mata quatro pessoas em igreja de SP e se suicida


Cortesia Diario Correio/EFE/direitos reservados

Um homem, identificado como Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, matou quatro pessoas, na tarde desta terça-feira (11), na Catedral Metropolitana de Campinas, e deixou outras feridas. Em seguida, o atirador se matou.

Segundo a Polícia Militar, o incidente ocorreu às 13h25 na catedral, localizada na Rua 13 de Maio, no centro da cidade.

A corporação ainda não tem detalhes de como a situação começou. De acordo com relatos, o homem invadiu a igreja, atirou contra as pessoas e se matou. A Secretaria de Segurança Pública informou que policiais militares atiraram contra o autor dos disparos e, em seguida, ele se matou. Ainda não se sabe a motivação do crime.

Segundo a polícia  que mostrou a carteira de habilitação nacional do suspeito para todos os jornalistas presentes durante uma entrevista coletiva, Grandolpho morava no município de Valinhos (SP), a cerca de 15 km de Campinas, e não tinha nenhum antecedente criminal, de acordo com pesquisa feita pelos policiais a partir dos documentos.

Em nota postada no Facebook, a Arquiodiocese de Campinas informou que a catedral permanecerá fechada para atendimento das vítimas e a investigação da polícia.

“Contamos com as orações de todos neste momento de profunda dor”, diz o texto.

Atendimento às vítimas

Assim que soube do incidente, a prefeitura mobilizou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), a Rede Mário Gatti, a Guarda Municipal e a Empresa de Desenvolvimento Municipal de Campinas (Emdec) para assistência às vítimas do ataque ocorrido na catedral. A prioridade no momento é dar total atenção aos feridos e à família das vítimas.

As informações, até agora, são de que um homem, de cerca de 30 anos, entrou na catedral por volta das 13h de hoje. Ele matou quatro pessoas e se matou.

Quatro pessoas estão feridas – duas foram levadas para o Hospital Municipal Mário Gatti, uma para o Hospital de Clínicas da Unicamp e outra para o Hospital da Beneficência Portuguesa.

O prefeito Jonas Donizette disse que está “estarrecido” com o brutal crime e que dedica suas orações às vítimas e suas famílias.

A prefeitura continuará mobilizada acompanhando os acontecimentos.