terça-feira, 16 de abril de 2024

Escritor Cláudio Terças, lança ‘Uma Cidade nas Nuvens’,

Na quinta-feira, 16, a partir das 18h, na livraria e sebo Poeme-se, localizada na rua do Egito, centro da cidade, o escritor, poeta e artista visual, Cláudio Terças, lança ‘Uma Cidade nas Nuvens’, seu mais novo livro de poesia e prosa em que homenageia a ilha de Upaon-Açu e a cidade de São Luís. O livro foi contemplado no Edital Conexão Literatura, pela Lei Aldir Blanc, da Secretaria de Estado da Cultura – SECMA.

Natural do Acre, Cláudio Terças, há muito se considera maranhense de São Luís, chegou aqui aos cinco anos de idade, e diz envaidecido, que aqui encontrou além de abrigo, encantamento e inspiração não só para conceber, mas também para compreender a sua gênese artística e literária. Foi dessa gestação criativa que, também, nasceu ‘Uma Cidade nas Nuvens’, livro em que exalta, com encantamento, a Ilha e a Cidade. “Mesmo quando não é citada literalmente, São Luís está presente na minha poesia, nos meus contos, e em tudo que eu concebo na minha arte, São Luís é a minha vivência. De Nauro Machado e Ferreira Gullar, tirei muita experiência, tanto na forma da construção poética, visão de mundo e da vivência com a realidade que me cerca. Não tenho como negar esse fato, a minha escrita já me denuncia. Da mesma forma acontece com os poetas contemporâneos meus, com quem convivo e de alguma maneira divido a minha arte e a minha experiência: “vejo navegantes viajando / com as estrelas / pelo puro prazer de navegar”. É uma via de mão dupla, dar e receber. Tudo se faz aprendizagem, tudo se faz transformação, e em Upaon-Açu, a ilha com seu tempo de vida indefinido, e São Luís, a cidade com seus 409 anos, o tempo se encontra e segue rumo a um futuro que construímos hoje e também um dia após o outro”, conta-nos o escritor Cláudio Terças.

O livro contém poesia e prosa, e é dividido em três partes, sendo, ‘mapas da ilha’ e a ‘cidade em sã descida’, poesia, e ‘uma cidade nas nuvens’, prosa, nas quais o autor reflete sobre a convivência que nem sempre é harmônica entre esses dois mundos que coabitam no tempo e na vida do lugar e das pessoas, “o passado e o presente se complementam mesmo com suas diferenças e comungam constantemente com a nossa existência, são as ruas, a arquitetura, o mar, os prédios, os artistas, enfim, nunca vamos desligar um do outro, e o meu livro revela bem a minha relação criativa com esse lugar”, explica.

Palavras e sentimentos são elementos essenciais da criação de Cláudio Terças, como ele bem revela no poema da página 33, ‘A ilha & eu’ quando diz: “eu sou a ilha”. Após o lançamento, o livro estará disponível para venda na livraria e sebo Poeme-se, onde acontece o lançamento, em outras da cidade e em diversas plataformas digitais.

A ilha & eu

Faz parte do poema

Mesmo quando não

Citada

Eu sou a ilha

Um campo magnético

Cercado de mar

Chegando pelo ar

Vejo uma lânguida língua de terra

Estirada lambendo atlântico

Vejo navegantes

Viajando com as estrelas

Pelo puro prazer de navegar

A ilha pertence ao tempo

A cidade aos humanos

– Publicidade –

Outros destaques