quarta-feira, 17 de julho de 2024

Jovens da região do Cajueiro e comunidades vizinhas se destacaram na competição “III Contender Shiai”

A primeira competição da vida, o atleta nunca esquece. Ainda mais quando ela traz consigo uma medalha, e também, uma história de muita luta e superação; que começa muito antes de entrar no tatame, mas nas comunidades distantes, onde jovens e crianças têm pouco acesso ao esporte, à educação e ao lazer.

Por isso a emoção foi redobrada para o grupo de 34 judocas que representaram o projeto social Ligga Campeã. Eles foram convidados para competir no evento “III Contender Shiai” que aconteceu no ginásio Costa Rodrigues em São Luís no dia 2 de setembro, das 8h às 16h; sob a promoção e coordenação do professor e Sensei Witaçuci Bezerra. Eles contaram com o apoio da empresa Ligga – Porto São Luís que patrocinou as inscrições, ofertou equipagens (quimonos), transporte, água e alimentação para os atletas e seus familiares. O time social e executivos da empresa acompanharam o grupo, apoiando e torcendo.

No total, foram mais de 200 judocas inscritos na prova – alunos da academia Shiai, de outras academias, de escolas privadas e de projetos sociais. Na sua terceira edição, o evento teve como maior objetivo preparar os atletas para grandes competições futuras.

Os judocas da Ligga Campeã são moradores das comunidades do Cajueiro (Praia do Cajueiro, Sol Nascente, Guarimanduba, Andirobal e Rua Principal), Mãe Chica e Vila Maranhão. Há cinco meses, um total de 55 crianças e jovens de 7 a 15 anos de idade descobriram o judô a convite da empresa Ligga – Porto São Luís, que mesmo antes de iniciar as obras e sua operação; já atua fortemente na área social; realizando ações que estão beneficiando pessoas das comunidades vizinhas; em diversas frentes como saúde, educação e capacitação profissional, e esporte.

O Projeto Ligga Campeã propiciou a inclusão desses jovens no judô, ofertando equipagem e aulas gratuitas realizadas na sede da empresa no Cajueiro; no contraturno escolar, duas vezes por semana, sob a orientação do Sensei Witaçuci Bezerra. Ele destaca que o judô tem trazido enormes benefícios para o grupo:

“Esse projeto Ligga Campeã é maravilhoso e nós da Academia Shiai viemos somar para ajudar a impulsionar a vida desses meninos e meninas. Vale destacar o quanto a empresa Ligga – Porto São Luís acolheu de forma muito inclusiva essa garotada da comunidade, sem distinção. Nós temos jovens com transtorno do espectro autista (TEA) e outros com dislexia, e a prática do judô vem ajudando muito, puxando esses meninos e meninas para uma outra realidade, além de melhorar sua autoestima e sua inclusão na sociedade. E a competição “Contender Shiai” veio coroar esses cinco meses de treinos, oferecendo ao grupo um desafio concreto e experiência de uma luta”, explicou o professor.

O Sensei ressalta que, independente das muitas medalhas conquistadas pelos judocas da Ligga Campeã, todos já são vitoriosos só por estarem integrando o projeto:

“Muito mais importante que uma vitória ou derrota na competição foi a partição deles no evento. O judô ensina lições que valem para a vida, como a perseverança, o saber cair e levantar. Tudo isso é fundamental para a vida, em especial na realidade de vulnerabilidade desses jovens. Naturalmente, a vida já os leva à exclusão, mas o judô vem para lhes dar força e resgatar sua autoestima; ajudando a desenvolver e a fortalecer esses meninos e meninas para que lutem por um futuro com mais oportunidades” declarou o Sensei Witaçuci Bezerra.

Nos tatames do Costa Rodrigues os atletas da Ligga Campeã enfrentaram a inexperiência e o nervosismo com muita garra. E foram literalmente empurrados pelos gritos de uma torcida muito especial, que emocionada e atenta, não perdia nenhum lance – eram pais, mães e familiares dos judocas. Famílias inteiras que pela primeira vez pisaram em um ginásio, como Carla Bastos da Costa, mãe de William de Jesus Bastos, de 13 anos. Eles moram no Cajueiro e nunca tinham ido a uma competição. Enquanto o garoto lutava no tatame, Carla estreou como torcedora:

“Eu me emocionei muito, meu filho nunca tinha tido essa oportunidade de competir antes. Sei que é apenas uma medalha que ele ganhou, mas parece que ela trouxe esperança para a gente, nem sei explicar” revelou a mãe de William, ainda muito emocionada.

Outra que era pura emoção e lágrimas foi a auxiliar de serviços gerais Ana Maria Macedo Graça, mãe de Wesley Nayron de 14 anos e Nadson Kesley de 9 anos, moradores do Cajueiro. Ana Maria disse que jamais vai esquecer desse dia:

“Foi a primeira vez que meus filhos competiram. Eu fiquei muito nervosa, não consegui segurar as lágrimas. Chorei e gritei muito fiquei até rouca. O Wesley Nayron começou perdendo e eu chorando na arquibancada. Mas ele soube virar a luta, vencendo e ganhando sua primeira medalha. Aí foi que eu chorei mais ainda, de orgulho e felicidade. Ver meus filhos num pódio foi algo que nunca pensei que ia viver. A Ligga Campeã foi um presente abençoado que ganhamos da Ligga – Porto São Luís e que ajuda a desenvolver as crianças em vários sentidos. Se não fosse a empresa, eu não teria condições de pagar essas aulas e levar eles para treinar fora da comunidade. Todos os pais que estão aqui estão muito felizes e agradecidos por esse projeto, que ajuda a desenvolver nossos filhos e manter eles fora das ruas”.

O pedreiro e pintor, Ivaldo Lima Costa também estava duplamente feliz. Ele é morador da Mãe Chica, e pai dos judocas Ivan Pedro e Isadora Hadassa. Ambos medalharam na competição e deixaram o pai orgulhoso e feliz:

“Agradeço muito à Ligga por essa oportunidade. É uma oportunidade maravilhosa que estão dando para nossos filhos, e o judô pode ajudar muito eles a terem um futuro melhor. Desde que começaram a fazer as aulas, eles estão mais alegres, mais motivados e até com mais disciplina. Eu e minha esposa incentivamos mesmo, e agora cada um com sua medalha, vão ficar ainda mais confiantes” disse o pai de Ivan e Isadora”.

Ainda mais emocionada que o pai, a judoca Isadora Hadassa, disse que estava muito nervosa e que nunca acreditou que ia ganhar uma medalha. Mas com apoio do pai, dos colegas e do Sensei entrou determinada a lutar e dar o seu melhor:

“Foi muita luta para ter chegado aqui e conquistado essa medalha. Olha como é linda, de ouro. Eu nunca imaginei que poderia ganhar algo assim. O Sensei é tipo um pai pra mim e ele acreditou em mim, me ajudou muito. Me preparou bem e me ajudou a vencer. Antes de entrar no tatame eu me tremi toda, agora com a medalha acho que nem vou conseguir dormir direito hoje, parece um sonho” disse Isadora Hadassa.”

O resultado final das medalhas conquistas pelos atletas da Ligga Campeã foi surpreendentemente positivo: 30% dos judocas obteve classificação em 1º lugar nas categorias em que lutaram; 56% ficaram em 2º lugar e 14% obteve o 3º lugar.

Mas isso é só o começo. Agora que adquiriram experiência na luta e sentiram o sabor da vitória, os judocas da Ligga Campeã prometem fazer jus ao nome, e seguir treinando ainda mais motivados a conquistarem novas vitórias, dentro e fora do tatame, na vida também.

Sonhos, autoestima reforçada e garra para lutar são as maiores medalhas que um judoca acaba conquistando ao praticar esse esporte. Elementos que são fundamentais para a vida, e que podem abrir portas para um futuro melhor.

“Estamos no mês do aniversário de São Luís, e não teria presente melhor para a cidade que investirmos em oportunidades para seus futuros cidadãos. Estamos muito felizes em oportunizar esse e outros projetos em prol da qualidade de vida dos moradores do Cajueiro e comunidades vizinhas“, declarou o CEO da Ligga – Porto São Luís Gerson Petterle.

– Publicidade –

Outros destaques