sexta-feira, 9 de dezembro de 2022

Desemprego na construção civil é debatido em reunião

Secretário Simplício Araújo afirmou compromisso em resolver atraso de pagamentos a empresas de Construção Civil.

 

O secretário de Estado de Indústria e Comércio, José Simplício Araújo, garantiu nesta quarta-feira,14, ao presidente do Sinduscon-MA, Fábio Nahuz, que resolver o problema do desemprego gerado na construção civil devido ao atraso no pagamento dos contratos às empresas maranhenses pelo programa Minha Casa Minha Vida – faixa 1, do Governo Federal, é uma das prioridades do governador Flávio Dino.

 

Uma reunião entre o Governador do Estado e a presidente Dilma Rousseff deve ocorrer ainda neste mês para tratar do assunto.  Somente nos meses de novembro e dezembro do ano passado, 10 mil trabalhadores perderam o emprego no segmento em todo o Maranhão e a previsão é que este número chegue a 12 mil neste mês de janeiro. Ate março, podem ser 26 mil postos de trabalho a menos na construção civil no estado, caso o problema continue.

 

A afirmação de Simplício Araújo foi feita durante a visita oficial feita a ele por Fábio Nahuz, o presidente da Associação dos Dirigentes das Empresas Imobiliárias do Maranhão (Ademi-MA), Osvaldino Pinho, e os empresários  Cláudio Calzavara (vice-presidente da Ademi-MA),  Celso Gonçalo (Engec Engenharia), Darci Fontes (Fonmart), José Ribamar Oliveira (Modulo Engenharia) e Marlene Rodrigues (Jeová Barbosa Engenharia).

 

Fábio Nahuz informou ao secretário que o cenário não é bom, o que preocupa os empresários, por isso o Sinduscon-MA está buscando apoio do Governo do Estado para resolver o problema. “As empresas não querem demitir, mas diante do atual quadro, foi a saída encontrada para se manter e garantir alguns postos de trabalho”, afirmou. Ele informou ainda que os atrasos no pagamento de contratos do MCMV faixa 1 vêm ocorrendo desde o início de 2014, complicando as finanças das empresas aos poucos  até chegar ao estrangulamento, pois além de não receberem o pagamento, ainda têm que arcar com juros no pagamento de fornecedores, que não são repassados quando do pagamento pelo Governo Federal, feito pela Caixa e Banco do Brasil. O atraso ocorre em todo o país.

 

Simplício Araújo afirmou que o problema não atinge somente a construção civil e sim o governo como um todo por isso  será tratado como prioridade. Ele anunciou aos empresários que o objetivo do governador Flávio Dino é  atuar junto com a classe empresarial, para tanto foi criado pelo governo o Conselho Empresarial do Maranhão(formado por diversas entidades empresariais). “Estamos abertos ao diálogo e queremos ouvir as pendências e sugestões, para que juntos, possamos agilizar os processos e garantir que as empresas locais se fortaleçam e tenham maior participação nas obras governamentais, se desenvolvam, sejam incentivadas a continuar gerando emprego no Maranhão e possam competir em nível de igualdade com empresas de fora do estado, com os mesmos incentivos”, disse.

 

O secretário anunciou algumas medidas que contribuirão para o fortalecimento das empresas, como a criação da Agência de Fomento do Maranhão e de oito Câmaras Setoriais.      

 

Os empresários solicitaram também ao secretário medidas para resolver alguns gargalos enfrentados pela construção civil, como demora na tramitação de processos de licenças em órgãos estaduais, revisão de valores de obras públicas, pois alguns são inexequíveis  com a realidade local, e outros. Simplício Araújo garantiu que a meta do governador é que todos os secretários atuem para que todas as questões referentes ao governo tramitem de forma ágil, transparente e sem burocracia.  

 

Desde o início do ano, o presidente do Sinduscon-MA, Fábio Nahuz, vem cumprido uma extensa agenda de visitas oficiais aos novos secretários estaduais do Governo do Maranhão. O objetivo é estreitar os laços com os novos gestores, apresentar pleitos do segmento da construção civil e sugestões que contribuam para o trabalho de garantir maior desenvolvimento ao Maranhão.

– Publicidade –

Outros destaques