quinta-feira, 17 de junho de 2021

Fique Ligado no São João na Guará
“Há uma discriminação velada contra a mulher”, afirma Eliziane Gama

“Há uma discriminação velada contra a mulher”, afirma Eliziane Gama

eliziane gama
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A candidata ao Senado Federal, Eliziane Gama (PPS), foi a entrevistada desta quarta-feira (19) da Sabatina Guará. Após dois mandatos como deputada estadual (2006-2014) e o atual mandato como deputada federal (2014-2018), a jornalista Eliziane explicou sua busca por uma vaga como senadora.

“Primeiramente, eu sou deputada federal e fui eleita como a mais votada e única mulher pelo Maranhão. A política não é para se eternizar no poder, é pra ser eleito, dar sua contribuição e depois dar oportunidade para os outros”, explicou.

“É no senado que os estados brigam de igual para igual, pois todos tem o mesmo número de parlamentares. Então, todo orçamento hoje passa pelo Senado”.

Analisando o cenário nacional, a candidata acredita que não há problema em dialogar com o vencedor das eleições para a Presidência da República: “O diálogo tem que acontecer independentemente do Presidente. O que você tem que fazer é se impor e lutar por isso, com o Presidente que for. Eu, como senadora, irei lutar para que os recursos venham para o Maranhão”.

Votação contra Dilma e Temer

Eliziane explicou que em suas votações sempre seguiu a mesma linha de coerência, sendo contra a corrupção e a favor da investigação de todos os políticos em busca da verdade.

“Eu sempre votei numa linha de coerência, desde os dois mandatos como deputada estadual e deputada federal, sempre foi coerente. Eu sempre votei de acordo com minhas convicções as vezes contra o posicionamento do meu partido. Votei diversas vezes contra o presidente Temer, como nas duas aberturas de investigação contra ele. Votei contra a reforma trabalhista e sempre contra a corrupção e a favor da defesa de qualquer tipo de investigação”, explicou.

A candidata também explicou que votou sempre a favor do trabalhador e contra as muitas renuncias fiscais realizadas pelo governo federal, como a das petrolíferas.

“Votei contra o perdão fiscal, pois o governo perdoa dívidas bilionárias e pesa a mao contra o trabalhador e os aposentados”, explicou. “Meu alinhamento sempre foi esse como deputada e seguirei como senadora”.

Grande aliança

Eliziane acredita que não há um problema em sua coligação ao englobar partidos com posicionamento tão diferentes, pois há um objetivo maior.

“Flávio Dino é um candidato de vários partidos, desde o PT ao DEM, passando pelo PPS que é meu partido. Aqui no Maranhão, nós nos unimos por um objetivo que é fazer com que o Maranhão continue com este crescimento. Este é o objetivo maior”, analisou. “O Maranhão de fato, mostrou que essa aliança está no caminho certo e eu estou absolutamente feliz com esse rumo certo”.

Fake News

Uma das preocupações de Eliziane nos últimos dias é o combate a fake News, a candidata acredita que vem sofrendo bastante por conta da propagação de boatos durante a campanha.

“Eu fiz um registro na PF mais uma vez em relação a vários fake News colocados na imprensa, como uma forma geral. Uma mentira na internet é como uma flecha que você joga e em minutos está em todo Maranhão. É algo devastador”.

A deputada faz uma dura crítica a quem cria e compartilha estas notícias falsas, esclarecendo que isso foge totalmente do jogo político.

“Você fazer crítica sobre meus votos ou atuação, eu fico tranquila, paciência, pois vamos partir pro debate. Mas quando se parte para mentiras que vão partir para sua vida pessoal e minha família, não dá certo. Este é um jogo muito ruim, muito baixo”, declarou.

Discriminação contra a mulher

Sendo a única candidata eleita para a Câmara Federal pelo Maranhão em 2014, Eliziane afirma que ainda há uma grande barreira contra as mulheres na política nacional.

“Na política há uma discriminação velada contra mulher, e às vezes nem velada. Pois eu fui a única mulher eleita como deputada federal e tive a maior cobrança por conta dos meus votos, em comparação com meus colegas”, afirmou.

– Publicidade –

Outros destaques