terça-feira, 22 de junho de 2021

Arraial Live Guará - Falta 1 dia
Maranhão é o segundo estado com maior taxa de mortalidade materna

Maranhão é o segundo estado com maior taxa de mortalidade materna

mortalidade materna
A newborn mixed race asian caucasian in a blue cap baby rest on his brunette asian mothers chest and stares into her eyes for the first time.
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

O indicador que mede a mortalidade materna no Brasil cresceu em 2016, com 64 mortes por 100 mil nascidos vivos. É o índice mais alto desde 2010. E avançou em 16 Estados, segundo o Ministério da Saúde. Entre os estados com indicadores mais elevados estão Amapá, Maranhão, Tocantins e Amazonas.

OAmapá é o estado com maior índice no país, de 110,8 em 2015 passou para 141,7 em 2016 por 100 mil nascidos vivos, quase a mesma média nacional de 1990 e mais que o dobro da média atual.

Em seguida estão o Maranhão, com 116,5 em 2015 e 122,2 em 2016, Piauí, com 103,6 em 2015 e 108,5 em 2016, e Paraíba, com 81,8 em 2015 e 99,9 em 2016.

Em relação às regiões, a Norte dispõe da taxa mais alta, de 84,5. O Nordeste está em segundo lugar com 78. O Centro-oeste apresenta 63,7, enquanto o Sudeste e o Sul, 55,8 e 44,2 respectivamente.

Gravidez na adolescência, mulheres hipertensas ou que passaram por situações de abortamento inseguro estão entre as vítimas da mortalidade materna. As mulheres negras são maioria nesses dois grupos.

Mortalidade materna

A morte materna é aquela que acontece durante a gestação, parto ou até 42 dias após o parto. Em quase todos os casos, essas mortes são evitáveis e geralmente estão relacionadas com problemas como hipertensão, hemorragia ou infecções.

O Ministério da Saúde afirma que na série histórica, entre 1990 e 2015, a mortalidade materna no Brasil caiu 57%.

– Publicidade –

Outros destaques