O novo livro do imortal maranhense Josué Montello


A Casa de Cultura Josué Montello fica na Rua das Hortas, 327, no Centro Histórico de São Luís (Foto: Divulgação/CCJM)

A Casa de Cultura Josué Montello (CCJM) realiza, nesta sexta-feira (15), lançamento do segundo volume da coletânea de crônicas de Josué Montello (Escritores Maranhenses: 1966-1993) e abertura da exposição “A nova aparência do lixo’, do artesão, escultor e escritor Antônio Melo. O evento acontece a partir das 16h, na CCJM, Rua das Hortas, 327, centro de São Luís.

A programação será realizada em lembrança aos 13 anos de morte do escritor maranhense e, também, como parte do projeto ‘CCJM Recebe’, que tem por objetivo realizar uma série de encontros literários durante este ano.

“São 13 anos sem a presença de Josué Montello, um dos mais importantes escritores brasileiros, vamos lembrar dessa data com a divulgação de sua obra e, também, realizando a segunda edição do ‘CCJM Recebe’ que começou em janeiro com o projeto Literatura Mútua e agora traz a rica exposição do artista Antônio Melo”, afirmou Joseane Sousa, diretora da Casa.

Cada visitante receberá um exemplar do livro, que também será doado para o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas, bibliotecas escolares, bibliotecas universitárias e academias de letras.

Sobre o livro

No livro constam 57 crônicas que foram publicadas entre os anos de 1966 a 1993 no Jornal do Brasil, onde Josué Montello tinha uma coluna intitulada Areia do Tempo. Entre as crônicas selecionadas estão presentes escritores que remontam a infância e juventude de Josué Montello, como Antonio Lopes, Dunshee de Abranches, a professora Celina Nina, entre outros, e também os amigos que já faziam parte do mundo literário ou aqueles que estavam iniciando sua trajetória como Gonçalves Dias, Humberto de Campos, Sousandrade, Maria Firma dos Reis, Odylo Costa filho e Nauro Machado.

Sobre a Exposição

São 37 obras produzidas a partir de sucatas, engrenagens, peças de bicicletas, impressoras, torneiras, mouse, teclados de computadores, ferros elétricos, motores, fios de cobre, de alumínio, cobre, metal, plásticos e diversos objetos desconhecidos retirados do lixo e adquirido por doações de terceiros.

O artista Antonio Melo é maranhense, marceneiro aposentado, artesão, escultor e membro da Academia de Luminense de Paço do Lumiar. Participou de várias exposições individuais e coletivas.  Autor da peça ‘O Violeiro’, premiada no 1º Concurso de Arte Consciente com o tema “Sons do Brasil”, promovido pela Mega Artesanal 2009 WR São Paulo.

SERVIÇO:

O QUÊ? Lançamento  do livro ‘Escritores Maranhenses: 1966-1993’ e abertura da exposição “A nova aparência do lixo’
QUANDO? 15 de março (sexta-feira), às 16h
ONDE? Casa Josué Montello, Rua das Hortas, 327, centro de São Luís