quinta-feira, 24 de junho de 2021

Fique Ligado no São João na Guará
Perícia afirma que causa da morte do cacique Jorginho foi afogamento

Perícia afirma que causa da morte do cacique Jorginho foi afogamento

Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

O corpo do cacique Jorginho, de 56 anos, da Aldeia Cocalinho I, foi encontrado na tarde do  último sábado (11), no Rio Xutiwa, próximo à ponte localizada na saída do município de Arame. A perícia realizada para saber a causa da morte constatou que foi afogamento.

Em nota a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA), informou que a vítima não sofreu nenhum tipo de violência ou lesões corporais causadas por tiro, e que a morte foi causada por afogamento. As investigações estão sendo conduzidas pela Polícia Civil.

A comunidade indígena afirma que ele foi assassinado, isso por conta dos conflitos acirrados na região entre índios e madeireiros que invadem a Terra Indígena.

Os Guajajara tem se organizado em grupos de proteção territorial chamados de “guardiões da floresta”, que também fazem a vigilância contra garimpeiros e caçadores. O grupo ainda busca proteger, dos invasores, índios Awá Guajá isolados que vivem na região.

O líder do grupo de guardiões da Aldeia, Xulwi Guajajara, diz que há um grupo de madeireiros foragidos da Justiça que realizam assaltos na região, o que tem acirrado o conflito e as ameaças contra os guardiões, que estão buscando apoio das autoridades locais e federais.

Entenda o caso

O cacique Jorginho Guajajara, da Terra Indígena Araribóia, na Amazônia maranhense, foi morto no último fim de semana. O Crime estaria relacionado ao acirramento do conflito dos índios com madeireiros que invadem impunemente a Terra Indígena.

Segundo a comunidade, existe uma espécie de toque de recolher na cidade e nenhum índio deve circular em Arame depois das 22h. O cacique Jorge estava no município depois desse horário.

– Publicidade –

Outros destaques