quinta-feira, 17 de junho de 2021

Fique Ligado no São João na Guará
Senador maranhense será investigado por declarações contra pedetistas

Senador maranhense será investigado por declarações contra pedetistas

Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou nesta terça-feira (9) a queixa-crime apresentada contra o senador Roberto Rocha (PSDB-MA) por ele ter dito que o senador eleito Weverton Rocha (PDT) e o presidente do partido, Carlos Lupi (PDT), formam um casal.

Com isso, o fato será apurado e, ao final das investigações, se a maioria da Primeira Turma considerar que há elementos para processar o senador, será aberta uma ação penal e Roberto Rocha responderá na condição de réu.

Segundo a defesa do senador, a queixa-crime é preconceituosa e busca criminalizar a caracterização de uma pessoa como homossexual.

“É de estarrecer, na medida em que Vossa Excelência e o Supremo Tribunal Federal (STF), estão sendo provocados a decidir, no âmbito criminal, a um impulso de vaidade pessoal com relação a imagem social que a Requerente ostenta de si próprio e por ter se sentido traída, buscando em virtude desse sentimento uma condenação penal em desfavor daquele que ensejou o seu desprazer”, afirmou a defesa.

Entenda o caso

Em dezembro do ano passado, Roberto Rocha disse no Twitter que o deputado Weverton Rocha (PDT-MA) e o presidente do PDT, Carlos Lupi, são um casal.

“Não entendo o motivo dos constantes ataques que me fazem os pedetistas, Lupi e Weverton. Logo eu que sempre torci pela felicidade do casal”, publicou o senador na rede social.

Diante do conteúdo publicado, a mulher de Weverton Rocha apresentou a queixa-crime alegando ofensa à honra da família.

“O senador da República faz crer que Weverton manteria com Carlos Lupi relacionamento amoroso, em total desrespeito aos votos conjugais mantidos com a peticionária. A expressão ‘o casal’, manejada por Roberto Rocha, atinge a honra de toda a família do Deputado Federal, em especial ofende o relacionamento que ele mantém com a sua esposa, ora querelante”, diz a queixa-crime.

Votos dos ministros

Inicialmente analisada pelo relator, Luiz Fux, a queixa-crime foi rejeitada. Para o ministro, a mulher do deputado Weverton Rocha não é parte legítima para propor a ação. A defesa dela, então, recorreu e, nesta terça, por 3 votos a 2, os ministros da Primeira Turma decidiram dar seguimento às apurações.

“Neste caso especifico, há uma imputação de traição. Ou seja, a mulher se sentiu ofendida por ela [a mensagem], e não pelo marido”, afirmou o presidente da Turma, Alexandre de Moraes.

Para o ministro, o STF estaria criando uma diferenciação entre homens e mulheres se não permitisse a Samya entrar com a ação.

“O que entendo […] é que, diferentemente do homem, que é chamado de corno, e ele tem direito a entrar com a queixa crime, a mulher não tem direito a entrar com a queixa-crime? Nós estaríamos criando uma diferenciação”, disse. Ele foi seguido por Rosa Weber e Marco Aurélio Mello.

Já para Luís Roberto Barroso, a mensagem buscava ofender pelo caráter homossexual do relacionamento entre Weverton e Lupi, não sendo uma referência a uma traição, cuja vítima seria Samya.

“Aqui eu não acho que tenha menção à esposa nem intenção de alcançar a esposa. Por esta razão, também estou entendendo falta legitimidade ativa”, afirmou o ministro.

– Publicidade –

Outros destaques