sábado, 13 de julho de 2024

Acusado de tentar matar homem a pauladas é condenado a 10 anos de prisão em Santa Inês

O juiz Raphael Leite Guedes, titular da 4ª Vara de Santa Inês, presidiu nesta quinta-feira (4), uma sessão do Tribunal do Júri no fórum da comarca. No banco dos réus, João Batista dos Santos. Ele estava sendo acusado de ter tentado contra a vida de José do Espírito Santo, fato ocorrido em 24 de agosto de 2014. O conselho de sentença decidiu pela culpabilidade do réu e ele recebeu a pena definitiva de 10 anos de reclusão. Narrou a denúncia deste caso que o crime aconteceu nas proximidades do prédio da Receita Federal, centro de Santa Inês. Seguiu relatando que o denunciado teria atacado José a golpes de pau e, posteriormente, foi capturado pela polícia, sendo autuado em flagrante.

Em depoimento prestado às autoridades policiais, João Batista afirmou ser viciado em drogas e que teria entregue a um amigo a quantia de 100 reais, para que o mesmo fosse comprar drogas. Passado algum tempo, o amigo do denunciado não apareceu. Alegando que estava revoltado e embriagado, ele teria visto uma pessoa saindo do mato e a atacou com um pedaço de pau, fugindo do local logo em seguida. Em depoimento, a vítima relatou que estava voltando para casa e, ao sair do mato, foi atacado por João Batista. Afirmou que tentou se defender dos golpes, mas levou uma paulada na cabeça e desmaiou, acordando somente no hospital. 

PRÓXIMOS JULGAMENTOS

A unidade judicial vai realizar no mês de maio mais duas sessões de julgamento. No dia 16, a ré será Adriana Amorim de Souza. Ela é acusada de participação em crime de tentativa de homicídio praticado contra Fábio Mourão Lima, vulgo ‘Grande’. Relatou a denúncia que, em 5 de abril de 2016, ‘Loura’, em comunhão com mais 5 homens, teriam combinado para tirar a vida de Fábio. Um homem identificado como ‘Pity’, na companhia da ré, teria disparado contra Fábio, que conseguiu fugir pulando em um açude e, posteriormente, denunciado seus algozes junto à polícia. Em depoimento, ‘Pity’ teria tentado matar a vítima, com ajuda da ré e de outros homens, por acreditar que Fábio o teria delatado na polícia do Pará.

No último Tribunal do Júri do mês, o réu será Ângelo Gabriel Galvão dos Anjos. Ele será julgado sob acusação de ter matado Francisco Gomes da Silva Neto, crime ocorrido em 8 de janeiro de 2022, em frente ao comércio da ‘Nitinha’, no centro de Santa Inês. Narrou o inquérito policial que a vítima estava conversando com a ex-namorada do denunciado, o que teria despertado ciúmes em Ângelo. Ato contínuo, o denunciado teria ido buscar uma arma de fogo, retornando até o local em que eles estavam.

Em seguida, ele teria efetuado disparos, atingindo Francisco Gomes. Após o primeiro disparo, a vítima teria corrido para o interior da residência de uma amiga, mas teria sido seguida pelo denunciado. Ângelo teria, então, disparado mais algumas vezes contra a vítima. A polícia averiguou que o motivo do crime seria o ciúme do denunciado por presenciar a vítima conversando com sua ex-namorada, incidindo em qualificadora, no caso, motivo torpe.

– Publicidade –

Outros destaques