sábado, 13 de julho de 2024

Professor de dança é condenado a 32 anos de cadeia por estuprar 14 vítimas em Bacabeira

Com base em Denúncia apresentada pela 1ª Promotoria de Justiça de Rosário, a Justiça condenou o professor César Adriano Correia Mendes a 32 anos, 11 meses e 24 dias de reclusão, em regime inicialmente fechado, pelos crimes de estupro de vulnerável de forma continuada contra dois adolescentes e de estupro contra outras 12 vítimas, totalizando 14 vítimas.

A condenação envolve, ainda, outros dois crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente: “Produzir, reproduzir, dirigir, fotografar, filmar ou registrar, por qualquer meio, cena de sexo explícito ou pornográfica, envolvendo criança ou adolescente” (artigo 240) e “Corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 anos, com ele praticando infração penal ou induzindo-o a praticá-la” (artigo 244-B).

Também foi condenado o policial penal Daniel Dias Gabriel, pelo crime de estupro de vulnerável contra duas vítimas, a 9 anos, 8 meses e 12 dias de reclusão.

Entenda o caso

A 1ª Promotoria de Justiça de Rosário ofereceu Denúncia, em 4 de outubro de 2022, contra César Adriano Correia Mendes, vulgo “César Show” ou “Farofinha”, e Daniel Dias Gabriel pela prática de crime de estupro e estupro de vulnerável contra adolescentes do município de Bacabeira.

Conforme o inquérito policial que fundamentou a Denúncia, César Adriano havia sido contratado naquele ano para atuar em escolas públicas de Bacabeira como professor de dança, organizando ensaios de festas juninas, quando criou grupos em aplicativos de mensagem.

Após obter o contato dos alunos, utilizou-se de uma das jovens para convencê-los a enviar fotos nuas ou em atitudes libidinosas. De posse de tal material, o denunciado passou a chantageá-los, ameaçando publicar as imagens, caso os adolescentes não tivessem relação sexual com ele.

De acordo com a promotora de justiça Maria Cristina Lobato Murillo, os adolescentes eram ameaçados inclusive com a utilização de arma de fogo. A mãe de uma das vítimas foi a responsável por denunciar o caso à polícia.

– Publicidade –

Outros destaques